English    Español    Français    Português   
 
Home Sobre a ILGA Notícias Países Participa Links Contacto
Ver também…
Em todo o mundo, oitenta países consideram a homossexualidade ilegal, e dentre eles, cinco punem os atos homossexuais com a morte.
Declaração da Assembléia de Mulheres
Primeira declaração acerca de orientação sexual e identidade de género da Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU)
ONU: 66 países condenam violações dos direitos humanos com base na orientação sexual e na identidade de género
Trinta países deportam trabalhadores migrantes soropositivos, sessenta e seis países discriminam viajantes HIV positivos, incluindo 19 na região européia da OMS.
Na mesma região
Descriminalização da Homossexualidade não é “um direito democrático”
ILGA busca contratar funcionários de ligação com instituições e pessoas na Ásia, África e America Latina e Caribe
Para sensibilizar a população sobre a extensão da Homofobia Patrocinada pelo Estado no mundo
Em todo o mundo, oitenta países consideram a homossexualidade ilegal, e dentre eles, cinco punem os atos homossexuais com a morte.
Os governos têm de esforçar-se mais para proteger as pessoas LGBTI

Imprimir esta página   Enviar um email a um amigo        

As lésbicas estão em todo o lado
MOVIMENTOS LÉSBICOS: RUPTURAS E ALIANÇAS
14/09/2009
Mundo
Mundo
 
As lésbicas sempre estiveram presentes nos diferentes movimentos sociais, com as associações LGBT, em grupos feministas, bem como na esfera artística e na luta pela descolonização e pela independência dos seus países. Em décadas recentes, as lésbicas estiveram presentes na luta por direitos iguais para mulheres de cor, mulheres aborígenes, e no geral nos movimentos feministas.

A versão em linha aqui

Esta publicação, em inglês, é uma compilação de experiências de pessoas de todo o mundo envolvidas em movimentos lésbicos, sociais e organizações de direitos humanos. Reconhecemos o mérito daquelas lésbicas* que, em muitas partes do mundo, abriram caminhos e das que estão activamente envolvidas na luta pelo bem-estar e pelo reconhecimento dos seus direitos.

Alguns destes exemplos positivos mostram que “a história pode ser mudada”, e que alguns grupos lésbicos conseguiram conjugar os seus problemas com os de outros movimentos. Algumas lutaram contra o apartheid e continuam a denunciar o racismo, outras trabalham em prol da paz nas suas regiões, outras juntam-se a diferentes grupos marginalizados e vulneráveis. As lésbicas mostraram mais solidariedade que outros grupos e deve reconhecer-se este facto.
As lésbicas têm uma forma revolucionária de pensar que pode ser benéfica para todos os intervenientes nas nossas sociedades que lutam por direitos iguais e por justiça para todos.

Partilhar experiências e conhecimento é uma forma de desenvolver capacidades, e estar consciente destas conquistas é o primeiro passo em direcção ao empoderamento e ao orgulho. Este relatório tem um cunho positivo, e procura o fortalecimento do futuro do movimento lésbico, mais do que ficar-se pela vitimização.

Esta publicação também deixa muitas perguntas em aberto, tais como: “O que é o feminismo?”, “Os problemas lésbicos estão mais próximos dos das mulheres, ou dos dos gays?”. Em vários momentos irá encontrar uma resposta que, algumas páginas depois, será contradita por uma experiência diferente. Este é, provavelmente, um sinal da diversidade e complexidade dos movimentos lésbicos.

Esperamos que esta publicação desperte a sua curiosidade, e a vontade de aprender mais e de ser inspirado/a por estes movimentos sociais tão diferentes, mas intimamente ligados. Pode também ser utilizada como uma ferramenta de formação para empoderar jovens feministas lésbicas dentro do movimento LGBT, e para sensibilizar as organizações para a importância de defender os direitos das lésbicas,

Por favor, divulgue esta publicação, coloque-a no seu sítio Web e, acima de tudo, use-a para se inspirar e empoderar.

“As lésbicas estão em todo o lado” e podemos orgulharmo-nos disso.

Patricia Curzi
Coordenadora do Projecto de Mulheres
ILGA


O termo “lésbica” refere-se a qualquer pessoa que se identifique como lésbica, bissexual, butch, femme, andrógina, fufa, trans, queer ou que não queira ser rotulada de qualquer forma.

Agradecemos a Peggy Pierrot, que tornou possível a publicação desta brochura nas versões PDF e online (a partir do Índice na página 3, pode clicar sobre o capítulo ou texto que desejar ler para lhe aceder directamente).

Esta publicação está disponível em versão PDF e só de leitura no sítio Web da ILGA. Podem ser enviadas cópias em papel mediante o pagamento dos custos de envio. Por favor, encomende a publicação, ou envie as suas sugestões e comentários para women@ilga.org.


Tradução Ana Patrícia Gomes